Sobre

JUNHO DE 2013 E AS TRANSFORMAÇÕES DO ATIVISMO NO BRASIL

Este site visa a divulgar os resultados da pesquisa interinstitucional (IESP-UERJ, UFES, UFMG, UFG, UFRGS e UFPel) “Transformações do ativismo no Brasil: junho de 2013 em perspectiva comparada”, aprovada pelo edital 012/2015 da CAPES (Memórias Brasileiras/Conflitos Sociais).

A pesquisa coletiva, desenvolvida entre novembro de 2016 e novembro de 2019, contou com a participação de 43 pesquisadores de 6 universidades, incluindo 8 docentes de programas de pós-graduação, 3 bolsistas de pós-doutorado, 18 doutorandos, 9 mestrandos e 5 discentes de iniciação científica.

O projeto ambicionou compreender os sentidos e significados dos protestos ocorrentes no Brasil em 2013, de modo a contextualizá-los, empírica e teoricamente, em um marco de transformações sociais mais amplas no país e em um contexto global de reconfiguração do ativismo e das lutas sociais.

De forma mais específica, buscou-se acrescentar à plêiade de trabalhos referentes aos protestos de 2013 um enfoque que possibilite o suprimento das seguintes lacunas detectadas na existente sobre o assunto:

  1. a devida localização dos atores, das práticas e das gramáticas notadas nas ruas em 2013 diante de processos e transformações sociais de maior amplitude e alcance, de modo a se entender as mobilizações em sua heterogeneidade e complexidade, como componentes de conflitos sociais cuja processualidade os precede e os sucede;
  2. o entendimento comparativo das distintas dinâmicas associadas aos protestos de 2013 em diferentes localidades, com o objetivo de se entender o que há de geral nas práticas ativistas do Brasil contemporâneo, assim como as demandas, formas organizativas e interações sociais específicas nas localidades pesquisadas, quais sejam, Rio de Janeiro, Vitória, Goiânia, Porto Alegre, Pelotas e Belo Horizonte;
  3. a compreensão dos repertórios, reivindicações e padrões de relação entre Estado, mídia, mercado e ativistas, para além de clivagens como “novo” e “velho”, com vistas ao entendimento das relações sincrônicas entre diferentes perspectivas e tradições de processamento dos conflitos sociais no contexto das manifestações de 2013.

A PESQUISA: DESENVOLVIMENTO E RESULTADOS

Durante os três anos de pesquisa foram realizadas três reuniões gerais presenciais entre as equipes locais e vários eventos realizados em Belo Horizonte, Pelotas, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Vitória. Foi realizada pesquisa de campo e documental nestas cidades, bem como uma série de oficinas e rodas de conversas com atores locais.

Dentre os principais resultados da pesquisa, encontram-se três livros que, seguindo o regime de publicidade definido pelo Edital Memórias Brasileiras: Conflitos Sociais, serão disponibilizados gratuitamente neste site.

O primeiro livro, intitulado Educação em Movimento(s): metodologias ativas para pensar conflitos sociais, foi publicado em 2019 em parceria com a Editora UFRGS. Trata-se de um livro didático para profissionais da educação que busquem trabalhar em encontros pedagógicos a temática dos conflitos, protestos e movimentos sociais. Pode ser acessado aqui.

Os outros dois livros, no prelo, serão publicados em 2020 pela EdUERJ. Um deles, coordenado por Luciana Ballestrin, Ricardo Fabrino e Francisco Mata Machado condensa contribuições que, partindo de Junho de 2013, problematizam questões teóricas mais abrangentes sobre os acontecimentos, os ciclos de protesto, os campos de ação política, os contramovimentos, a questão (pós)democrática, as classes sociais, as condições de vida, as emoções e a fiscalidade.

O último livro, coordenado por Breno Bringel, Marcelo Kunrath Silva e Cristiana Losekann, aborda a diversidade regional, as variações locais e as convergências nacionais dos protestos de Junho de 2013 a partir do estudo sistemático das dinâmicas de diferentes localidades. Por outro lado, contribui com análises temáticas e perspectivas comparativas sobre repressão e (des)mobilização, a relação entre os protestos e a grande mídia, o midiativismo, a advocacia nas ruas e o ativismo conservador. Em breve, ambos os livros poderão ser acessados gratuitamente aqui. Outras publicações da pesquisa (artigos, capítulos de livro, anais de congressos, working papers, dissertações, etc.) podem ser consultadas aqui.

Financiadora

Capes

Instituições parceiras